30 novembro, 2021

Viaturas históricas da PMMG resgatam memória em mostra na Praça da Liberdade


Quem passou pela Praça da Liberdade e arredores, até o início da tarde desta terça-feira (30/11), pôde conferir a "Mostra de Viaturas Históricas", que a Polícia Militar de Minas Gerais expôs. Foram quatro viaturas e uma moto, cujo modelos, pinturas e cores retratam um pouco da história da corporação. Para uns, foi a chance de conhecer viaturas diferentes das que circulam hoje, e para outros, a oportunidade de relembrar a frota que servia ao policiamento das décadas de 70 e 80. 
 
Os quatro modelos de viaturas, que estão funcionando plenamente, foram um atrativo a mais para pessoas de todas as idades que puderam entrar, sentar, fotografar e até buzinar os veículos. O evento contou com a participação do Quarteto de Madeira da Banda de Música da Polícia Militar que fez quem estava passando diminuir o passo, parar e até sentar na grama para apreciar a música na praça. 
 
O comandante-geral da PMMG, coronel Rodrigo Sousa Rodrigues, visitou a mostra e entrou nas viaturas. 
 
“Eventos assim são um atrativo para que as pessoas conheçam a história da instituição, mas se divirtam também. Algumas dessas viaturas foram restauradas por militares e até mesmo civis, e se tornaram relíquias para a Polícia Militar. Nossos veículos evoluíram e a gente também, trazendo segurança para o povo mineiro e para quem nos visitar, nessa retomada de eventos culturais e do turismo”, afirmou coronel Rodrigo. 
 
A mostra foi organizada pela Seção de Memória e Patrimônio Histórico-Cultural da Polícia Militar, em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Secult). Eventos como esse vão ocorrer novamente, inclusive com nova mostra das viaturas históricas. 





 

Autor: Killzy Lucena - Sala de Imprensa PMMG


Confira as reportagens sobre o evento: 






 

22 novembro, 2021

 

22 de Novembro dia do Músico!

 

Hoje comemora-se o dia do músico! Em homenagem a todos esses profissionais, falaremos um pouco sobre a Banda de Música do 3º Batalhão da PMMG, mais antiga agremiação musical da Polícia Militar de Minas Gerais, que em 2021 completa 130 anos.

               


Pelos registros históricos sabe-se que desde a antiguidade as Bandas de Música tiveram ligação com os exércitos, pois devido à grande projeção sonora de seus instrumentos, foram usados para a comunicação e evolução dos corpos militares dentro dos quartéis e nos campos de batalha.


Diversos autores dizem que as bandas de música tem origem na Alemanha no século XVII, quando as mesmas ainda se constituíam de instrumentos como oboés e fagotes, fazendo parte da vida militar. No Brasil as primeiras notícias que se tem sobre a constituição de bandas datam apenas após a vinda da Família Real Portuguesa, em 1808. Dos quatro Corpos Militares criados em Minas Gerais no ano de 1890, apenas o de Diamantina permaneceu na mesma sede e manteve atividades ininterruptas até a atualidade.

 

A Banda de Música do 3º Batalhão, sediada em Diamantina, foi criada de forma oficiosa, em 1891, pelo militar músico, Sargento João Batista Teixeira. Posteriormente, tornou-se oficial, como outras tantas bandas, que foram sendo criadas em outros batalhões da Polícia Militar de Minas Gerais. Para organizá-la, João Batista Teixeira recrutou músicos das bandas civis Corão e Corinho. Por ter se preservado desde o início da República, não obstante tenha passado por algumas fases de inatividade em dado momento específico, como durante os períodos revolucionários de 1930 e 1932, a Banda de Música do 3º Batalhão da Polícia Militar é a mais antiga corporação musical militar do Estado de Minas Gerais.

 

Habitualmente, a Banda de Música do 3º Batalhão sempre foi parte integrante das festas religiosas, com vários de seus músicos executando os cantos dos ritos litúrgicos, os motetos, ofertórios, ladainhas etc, no interior dos templos. Também esteve ligada à produção música para o entretenimento da sociedade: uma das manifestações culturais mais frequentes, e que permaneceu por período longevo em Diamantina, foi a apresentação de retretas, que eram concertos populares realizados em praça pública, muitas vezes nos coretos erguidos em várias cidades mineiras para abrigarem as bandas. A Banda de Música do 3º Batalhão deu continuidade a essa cultura, herdada das bandas civis anteriores. O apogeu dessas retretas ocorreu durante as décadas de 1930 e 1940.

 


Na década de 1990, quando Diamantina se candidatou ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade, formou-se uma comissão composta por diversas pessoas de notório saber, para elaborar um ensaio histórico estratégico, sobre o qual o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) pudesse desenvolver um dossiê com as justificativas oficiais da candidatura, para ser entregue à UNESCO. Entre essas pessoas estava o monsenhor Walter de Almeida, oficial capelão do 3º Batalhão da Polícia Militar, grande conhecedor tanto da história da Polícia quanto da Igreja Católica. Suas indicações foram determinantes para a definição das justificativas.

 

A necessidade de preservação dessa musicalidade singular para conhecimento das gerações futuras se consagrou como um dos argumentos fortes que pesaram, com muito vigor, para que Diamantina recebesse o título universal. Nesse sentido, o monsenhor Walter de Almeida sugeriu a volta da Banda de Música do 3º Batalhão para as sacadas da cidade, como atração cultural a ser recuperada e oferecida dentro do novo contexto que se delineava. Era de seu conhecimento a tradição da banda executar a fantasia La Mezza Notte, popularmente conhecida como “O Anjo da Meia Noite”, durante as retretas realizadas em Diamantina, com grande frequência, nas décadas de 1930 e 1940.

 

Enviado o ensaio histórico estratégico para o IPHAN, e estando a cidade em plena campanha para aquisição do título junto à UNESCO, o Ministério da Cultura marcou o lançamento do Programa Nacional de Turismo Cultural para o dia 16 de agosto de 1997, em Diamantina. Surgia aí a grande oportunidade dos músicos militares retornarem para as sacadas, celebrando a hora vesperal, conforme tradição iniciada pelo maestro Piruruca em tempos remotos, quando ainda não havia luz elétrica na cidade. Para aquela apresentação, que acabou acontecendo no período noturno, a Banda Mirim, mantida pela prefeitura, uniu- se à Banda de Música do 3o. Batalhão. Desse modo, a manifestação cultural conhecida como “O Anjo da Meia Noite”, acabou transformando-se no atrativo turístico denominado “Vesperata”, que se impôs como o mais importante produto artístico que sustenta a economia de Diamantina, desde então.






Em 2021, ano em que a Banda de Música de Diamantina completa 130 anos de história, a agremiação tem pela primeira vez, uma policial feminina como regente. A 2º Sgt Adriana Regina Moreira, mais antiga praça especialista, ficou imbuída da função após a passagem para a reserva altiva do ex-regente Ten Everton, hoje Capitão QOR.

 


A Banda de Música do 3º Batalhão da Polícia Militar destacou-se como a mais importante instituição musical de Diamantina, durante todo o século XX. Funcionou como o grande elo que trouxe, até os dias atuais, os reflexos do fenômeno musical ocorrido no território mineiro no século XVIII. Portanto, pela história singular brilhante, construída ao longo de seus 130 anos de existência, a Banda de Música do 3º Batalhão da Polícia Militar já adquiriu, por direito, o status de Patrimônio Cultural do Estado de Minas Gerais, um bem imaterial singular, que tem de ser preservado e salvaguardado, para o conhecimento das gerações pósteras.

 

 

Fonte: Adaptado do artigo: “BANDA DE MÚSICA DO 3º BATALHÃO DA POLÍCIA MILITAR DE MINASGERAIS A MAIS ANTIGA CORPORAÇÃO MUSICAL MILITAR DO ESTADO” de autoria dohistoriador Wander Conceição.

 


 

POSTAGENS MAIS VISITADAS